Storytelling: Aprenda a contar histórias marcantes

Em seu cotidiano, seja para para debater, se explicar ou até contar uma história engraçada, você precisa saber se comunicar. Então, levando isso em consideração, não seria ótimo sempre conseguir prender atenção de quem está te ouvindo?

E se dissermos que existe uma maneira e ela não é tão complicada assim. Era uma vez o storytelling…. o ato de contar histórias e conseguir maior retenção do público.

O storytelling consiste em uma série de técnicas que, quando inseridas na sua mensagem, podem tornar uma história muito mais envolvente. Lembra daquele filme, palestra ou livro que entretém você? Muito provavelmente o autor desses materiais utilizou, consciente ou inconscientemente, essas técnicas que iremos abordar aqui.

Neste artigo passaremos tudo o que você precisa saber sobre o storytelling, além de bons exemplos para você começar a utilizar esse método na prática.

O que é Storytelling

Contar uma história, seja ela boa ou ruim, é a forma mais antiga de passar informação alguém. Independentemente do período, o homem sempre utilizou narrativas para persuadir ou explicar algum tema.

Ainda podemos dizer mais, tudo o que você conhece hoje – suas ideologias, costumes e crenças – foi baseado em histórias que foram contadas, se não diretamente para você, para seus antepassados.

Contudo é exatamente aqui que entram as técnicas de storytelling.

Isso porque apesar de nem sempre carregarmos essa nomenclatura conosco, mesmo que involuntariamente, separamos as histórias boas das ruins. Isto é, nos apegamos às boas narrativas a ponto de levá-las para o resto da vida, enquanto esquecemos facilmente das más.

Nesse cenário, storytelling nada mais é do que um método de comunicação cujo o objetivo é entreter e criar um comunicação emocional com o receptor.

Onde o Storytelling está presente?

Após ver a definição do tema, você ainda pode estar em dúvida sobre onde aplicá-lo.

Como dissemos, o storytelling são técnicas de comunicação. Assim, para qualquer mensagem que desejamos passar, podemos utilizar esse método. Veja alguns exemplos para entender melhor.

Em uma apresentação

Você provavelmente já teve que fazer alguma apresentação de escola, faculdade ou para seu chefe. Então saiba que se você conhecesse as técnicas que traremos nesse artigo o resultado poderia ser ainda melhor.

Palestrantes, por exemplo, contam histórias a fim de que você não fique disperso durante o tempo de apresentação e, assim, capte a mensagem.

O mesmo vale em debates. Convencer alguém não é fácil, assim, se você deseja fazer isso, primeiro explique bem a história para que o ouvinte entenda o seu ponto de vista.

Em um conteúdo

Quando citamos conteúdo estamos sendo muito generalistas, uma palestra, por exemplo, pode passar um conteúdo relevante. Porém o que queremos que você entenda é que muitas vezes você pode ser envolvido por bons narradores mesmo sem saber.

A arte de contar histórias está presente em qualquer formato de conteúdo. Em um filme, um livro, uma propaganda ou até naquela letra de música.

Porque o storytelling é importante?

Mantém a atenção do público

Contar uma boa história aumenta a retenção do público e, se você não a faz dessa forma, ela fica confusa, o público desinteressado e, aos poucos, a rejeição sobre o seu texto, vídeo ou qualquer outro conteúdo vai aumentando.

Com o storytelling você faz com que a sua audiência crie uma conexão emocional com cada etapa que está sendo passada. Ou seja, gera identificação e por isso o público vai querer acompanhá-lo até o final.

Fica na memória do público

Além de gostar do que está sendo passado, as pessoas envolvidas com seu conteúdo também vão lembrar da sua mensagem. Pode ser que não recordem integralmente, mas a essência da história permanecerá na mente da audiência.

Lembra daquele filme cuja mensagem final não sai da sua cabeça, ou daquela explicação, na qual a metodologia passada orienta você até hoje em seu trabalho.

Resumindo, podemos afirmar que “as pessoas são marcadas por boas histórias”.

Pode tornar-se viral

Considere que um artigo de blog que realmente educa o leitor tem compartilhamentos espontâneos. Você pode analisar quais são esses conteúdos, pesquisando por temas no Buzzsumo.

Qual a estrutura do storytelling?

Agora que você já entendeu o que é e porque deve fazer storytelling, é preciso conhecer a estrutura de um.

Primeiro, por mais que pareça óbvio, sua história deve ter começo, meio e fim. Contudo o desafio não está nisso, mas na transição entre essas fases. Ou seja, o que realmente vai prender a atenção da audiência.

Veja como fazer isso:

Primeira fase – O começo da história

Para começar o seu storytelling você deve ter um protagonista, ou seja, o personagem principal que caminhará com a audiência até o final da história.

Apresente pelo menos um pouco da sua trajetória até tornar-se o que é hoje, mas principalmente defina bem as características atuais dele. A forma como você fizer isso vai interferir no decorrer do conteúdo.

Afinal, seu público deve criar empatia por ele, pesquise bem e encontre qualidades e defeitos nos quais sua audiência possa se identificar.

Mostrar o local e o momento em que se passa a história também é um complemento ideial para que o leitor “entre no clima”.

Por último, para fazer a transição para a próxima fase, introduza o primeiro conflito do personagem. Defina bem a dificuldade ou o desafio que o seu protagonista deverá enfrentar. Captar a atenção do público depende disso, afinal a história gira em torno disso agora.  

Segunda fase – O desenvolvimento

O “meio” da história deve ser a parte mais longa. Isto é, você precisa desenvolver a relação do personagem com o conflito e impedir que ele vá logo ao ponto.

Trate o conflito como algo realmente complexo, faça com que esse momento exija atitudes, mas também gere decepções ao protagonista. Nós veremos mais para frente que um bom storytelling é uma “montanha russa” de emoções.

Então faça o que for necessário para pôr isso em prática sem ser irrelevante. Acrescente novos personagens, ambientes, enfim, faça com que o público não perca atenção durante a jornada do personagem.

Terceira fase – A conclusão

Toda boa história é boa porque tem um bom final. Contudo fazer um final bem feito não significa que a história tenha que acabar bem.

Tudo o que você escreveu até agora levará o protagonista se ver diante de uma decisão. E, por mais difícil que seja, esse momento é o mais esperado por todos que estão acompanhando a sua história.

O clímax, como é chamado, é o período de maior tensão pois o que acontecerá aqui definirá o desfecho da história. Aqui você pode dar o que a sua audiência está esperando, ou ainda sair da zona de conforto e dar uma decisão totalmente inesperada ao personagem.

Para finalizar, dê uma resolução adequada às decisões e momentos vividos pelo protagonista.

Como já dissemos, não existe só uma maneira de finalizar uma narrativa. Filmes, por exemplo, podem ter finais felizes, espantosos, tristes ou despertando qualquer outra emoção do público.

Como definir a sua persona pode melhorar seu storytelling?

Existem algumas histórias que são universais, todo mundo gosta, sem exceções. Entretanto, em muitos casos, uma narrativa pode ser relevante para você, mas nem tanto para outra pessoa.

Assim a primeira dica que você precisa saber antes de começar a digitar seu roteiro é: escreva para o seu público, não para você.

Defina a sua persona, isto é, colete dados sobre sua audiência além do gênero, faixa etária e outras informações superficiais. Veja alguns dados importantes a serem observados:

  • Quais são os objetivos do público;
  • Quais as dificuldades;
  • Qual o momento da vida ou carreira profissional estão vivendo;
  • O que eles esperam e não esperam ouvir;
  • Quais canais e formatos de conteúdo preferido.

Confira algumas características de um bom storytelling.

Define bem o tema

Sabendo escrevê-la, uma história pode ser contada de diversas maneiras. Pode ser mais romantizada, dramática, mais alegre ou até mais séria.

Nenhum tema é melhor que outro, contudo eles devem ser mais adequados ao contexto. Ou seja, adapte a sua história para quem você está escrevendo. E, por fim, lembre-se que ao escolher um, deve-se mantê-lo em sua linha de raciocínio até o final.

Cria um conflito relevante

Definir sua persona com todas as perguntas que foram mostradas anteriormente permite que você conheça todas as necessidades, desejos, preocupações e emoções do seu público. Então trabalhe nelas.

Toda a sua história será trabalhada em cima de um conflito que o protagonista deverá enfrentar. E como o público deve se identificar com esse personagem, escolha um conflito relevante para eles.

De nada adianta sua história ter todos os elementos necessários se sua audiência não se importa com o problema citado.

Dessa forma, você pode, por exemplo, falar sobre as dificuldades em um ambiente empresarial para pessoas cujo objetivo é crescer profissionalmente, ou escrever um romance para aquela persona que tem dificuldades de relacionamento.

Escolhe as partes importantes

Nesse artigo você já viu que para reter a audiência em seu conteúdo ir direto ao ponto pode ser um desastre. Mas ao escrever uma história real, por exemplo, você perceberá que muitos detalhes são dispensáveis.

Muitas dessas partes devem ser “cortadas”, independentemente de qual seja sua trama. Entretanto algumas delas podem ser mais relevantes dependendo do contexto e de quem está recebendo a mensagem

Imagine um roteiro de um filme que conta a história de empreendedores. Em dado momento, quando o protagonista se reúne para um brainstorm, surge um momento de descontração e de várias risadas.

Agora pense. Se o filme adotar um tom mais sério, como um documentário bem técnico, essa parte pode ser irrelevante. Contudo, se for um filme para o público geral, um clima descontraído é perfeito para tornar a história mais humana.

A Jornada do Herói: A mesma história contada de várias maneiras

Joseph Campbell estudou narrativas e mitos a fim de estabelecer uma relação entre eles. Assim em seu livro O Herói de Mil Faces – ele conclui que: todo protagonista é variante de um mesmo herói.

Ou seja, para ele toda história cativante tinha a mesma estrutura, mas contada de forma diferente. Joseph Campbell a chamou de “Jornada do Herói”.

Pense nessa jornada como um ciclo. Ela começa e termina no mundo normal do protagonista, mas nesse intervalo passa por um ambiente diferente e desconhecido, no qual atravessará alguns momentos decisivos.

Conheça a estrutura.

1. Situação normal

É o início da história. Esse é o momento de apresentação do protagonista. Portanto mostra suas características, bem como o cenário que ele está envolvido.

2. Chamado para aventura

A introdução ao conflito na jornada do herói se dá quando ele recebe uma mensagem desafiadora e misteriosa, a qual definirá o futuro da história.

3. Recusa ao chamado

Em conflito interno sobre a vontade e os perigos do desafio, o protagonista recusa o chamado.

4. Ajuda

O herói, ainda pouco convencido sobre o desafio, é auxiliado por um mentor que o motiva a seguir.

5. Partida

O herói aceita os conselhos do mentor, sai do seu mundo comum e parte para a jornada.

6. Testes

No decorrer da história o protagonista passa por vários testes. Nesse período ele faz aliados e inimigos, que o ajudarão a amadurecer nesse novo mundo.

7. Abordagem

Após passar pelos testes anteriores, o personagem enfrenta seu maior desafio. Na jornada do herói, esse desafio ainda não é superado aqui.

8. Crise

Abalado e fraco pela derrota, o personagem deve passar e superar uma crise.

9. Recompensa

Passar pela crise torna o herói mais forte para voltar e enfrentar o seu maior desafio. O desfecho pode variar de acordo com cada história. Contudo o protagonista deve finalmente se livrar ou vencer seu maior desafio.

10. Retorno

O herói percorre o caminho de volta para o seu mundo normal.

11. Nova vida

Antes de voltar à situação normal, o herói deve resolver todas as tramas pendentes ou um novo conflito.

12. Situação normal evoluída

Finalmente o herói retorna ao início da história. Mas dessa vez levando toda a bagagem e aprendizado da sua jornada.

Muitos dos livros e filmes de sucesso segue essa estrutura de storytelling. Portanto, mesmo sem precisar seguir à risca todas as situações, você também pode utilizar a jornada do herói para contar sua história.

Como aplicar o storytelling ao seu negócio

Você ainda deve estar se perguntando como aplicar o storytelling em seu negócio, não é mesmo?

Mas para isso, antes você precisa pensar que “o seu conteúdo é a sua história”.

Ou seja, sempre que quiser transmitir uma mensagem ao público, primeiro escolha a história que você quer contar e depois utilize as técnicas do storytelling como a maneira de contá-la.

Não entendeu bem ainda? Veja dois exemplos que vão ajudar a nortear você nesse caminho.

Exemplo 1  

Suponha que você vai escrever um artigo para o seu blog.

Todo o conteúdo que será passado nele é a história que você quer contar. Porém você não deve escrevê-lo simplesmente passando o conceito e a definição do tema.

Caso haja a finalidade de passar uma mensagem única, entreter e manter a atenção da audiência, você precisará contar uma boa história. Dessa forma, montar um storytelling.

Imagine que o artigo a ser escrito é sobre marketing digital.

  1. O personagem será a sua audiência cujo conflito é aprender marketing digitla para introduzi-lo em sua empresa.
  2. A jornada dela é ler todo o seu texto a fim de aprender mais sobre o assunto. Para tanto, você vai citar todas as dificuldades e aprendizados que ela deverá passar.
  3. O Grande Desafio é por todo o conhecimento em prática, por isso você utilizará imagens, exemplos e cases de sucesso em seu artigo.
  4. A conclusão da história e do seu artigo, então, deve dar o último estímulo para que sua audiência finalmente introduza o marketing digital na empresa dele.

Exemplo 2

Apesar de ser mais utilizado e, por vezes, até mais efetivo nem sempre queremos ou conseguimos manter a estrutura do storytelling no artigo inteiro.

Mas isso também não é problema.

Pensando no mesmo texto de marketing digital, você também pode escrevê-lo de maneira mais técnica. Dessa forma, você poderia utilizar pequenos “storytellings” para explicar e ilustrar como funcionam algumas técnicas na prática.

Cases de sucesso com storytelling

Separamos algumas propagandas de marcas famosas para inspirar você a criar boas histórias. Boa inspiração 🙂

Açúcar União – “Todo o sonho é possível quando existe união”

Adidas – “Break Free”

Heineken – “The Timezone”

Renault Kwid – “A Caverna do Dragão”

Plataforma Rotamáxima PS

Ofereça seus serviços e receba pela plataforma.
Contrate o profissional ideal para o seu projeto